Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mulher, Filha e Mãe

Sensibilizar (para) e apoiar (na) ansiedade e depressão na gravidez e no pós-parto

Uma estadia memorável no Your Hotel & Spa em Alcobaça.

Comemorar, seja o que for, é ótimo! 

É ótimo recordar, festejar, conviver, desfrutar, conhecer, aprender, refletir e (re)viver todos os momentos que fazem parte do motivo principal que nos leva a comemorar. 

Por aqui, o motivo de comemoração foi o nosso aniversário de Casamento. 

Não o queríamos deixar passar em branco, e aproveitamos o momento para passar uns dias fora e recuperar energias para voltar ao trabalho depois da licença de maternidade, para mim, e depois das férias, para ele. 

 

Foi fácil. Recorremos aos locais previamente identificados pela equipa da Sapo Vouchers e rapidamente percebemos que na altura, a escolha pelo Your Hotel & Spa em Alcobaça, seria a mais ajustada do momento, para nós.

E assim foi. 

Reservámos, viajámos e assim que lá chegámos fomos logo muito bem recebidos. 

 

P1120414.JPG

 

P1120416.JPG

 

P1120419.JPG

 

Dadas as circunstâncias instalaram-nos num quarto superior ao reservado e informaram-nos no que consistia o circuito de hidromassagem que estava incluído no voucher que adquirimos. 

O ciruito incluia sauna/banho turno, vários tipos de banhos, jacuzzi, e uma piscina ampla com vários pontos de hidromassagem.

Assim que foi possível, marcámos o circuito, assim como uma massagem de relaxamento para dois (que dificilmente esqueceremos por ter sido das melhores que já fizemos!).

 

P1120399.JPG

P1120400.JPG

P1120402.JPG

P1120403.JPG

P1120410.JPG

 

Depois da massagem tinhamos à nossa espera um excelente jantar (foi dificil escolher, por ser tudo tão aparentemente delicioso!) que soube tão bem depois do respetivo dia... o atendimento foi excelente, assim como o espaço envolvente. Transmitia calma e tranquilidade. Adorámos!

 

P1120392.JPG

P1120387.JPG

P1120388.JPG

P1120389.JPG

 

Não levámos a Madalena porque foi-nos dito que no quarto que estava contemplado no voucher, não cabia um berço. Apesar disso, ficámos muito agradados pelo facto do espaço envolvente estar adaptado para quem quiser levar filhos! Não só através das salas e espaços programados para as suas brincadeiras, assim como os acessos que o mesmo contempla.

 

P1120397.JPG

P1120396.JPG 

Para além de tudo isto, ainda havia uma percurso pedonal marcado perto do hotel para quem quisesse andar durante uns bons 30 minutos e fazer algum exercício físico (o que depois de um pequeno almoço delicioso, deu muito - mas mesmo muito! - jeito para gastar algumas calorias...).

 

P1120426.JPG

P1120433.JPG

P1120438.JPG

 

P1120444.JPG

 

No dia seguinte, fomos visitar o Mosteiro de Alcobaça, que nunca tínhamos visitado.

E a verdade, é que assim que nos confrontámos com a praça onde o mesmo se encontra, tivemos de imediato mais um motivo para atestar que de facto, Portugal, tem locais e monumentos fantásticos! E este, é sem dúvida alguma, um deles. Não só bastante conhecido por integrar o túmulo das figuras principais de uma grande história de amor como reza a lenda - O Infante D. Pedro e Inês de Castro - mas também por integrar uma estrutura e paisagens fantásticas, dignas de serem visitadas.

 

P1120475.JPG

P1120479.JPG

P1120508.JPG

P1120485.JPG

 

Túmulo do Infante D. Pedro.

 

P1120505.JPG

 

Túmulo de Inês de Castro.

 

P1120518.JPG

P1120520.JPG

P1120545.JPG

 

P1120558.JPG

 

P1120571.JPG

 

P1120657.JPG

Ainda por cima tivemos a possibilidade de assitir a um pequeno concerto de música celestial que estava a decorrer durante a visita. Foi um ótimo momento que aproveitámos para parar, fechar os olhos, ouvir, respirar fundo e relaxar!

 

P1120537.JPG

 

P1120591.JPG

P1120599.JPG

P1120600.JPG

P1120611.JPG

P1120684.JPG

 

P1120710.JPG

P1120714.JPG

 

Uma prenda para a nossa Madalena - Uma história sobre a lenda do grande amor representado pelo Infante D. Pedro e Inês de Castro. Espero que um dia ela goste tanto da história como eu gostei de a comprar para ela!

 

 

P1120725.JPG

 

Ficaram com vontade de os visitarem também? 

 

:)

 

Vencedor(a) do Passatempo em parceria com o Gymboree! Curiosos?

E o vencedor(a) do passatempo é....

 

 

Beta Malveiro Francisco !

 

Sem Título.png

 

Parabéns!!!

Assim que tiver acesso ao resultado, envie-me email para blog@mulherfilhamae.pt para reclamar o voucher.

 

Aproveito para vos comunicar que hoje tivemos conhecimento que o Gymboree do Dolce Vita Tejo irá passar para Telheiras!

Aqui ficam os novos contactos, caso tenham interesse.

telheiras@gymboree.pt ou 910 277 128.

A criança não é só dos pais.

Temos um grande amigo com quem adoramos estar e conversar sobre tudo. Vida, filhos, tristezas, conquistas, filosofias, experiências, objetivos, dúvidas, etc. 

Pelo que conta, que desde cedo caminhou cheio de vida, e hoje, tem uma vida cheia de experiências para partilhar. 

De 1980 a 2011 que exerceu Psicologia Clínica na vertente Transpessoal, contando já com várias formações na vertente Perinatal, pelo que, há pouco tempo desafiei-o a escrever algo para o blog (tendo em conta o seu contexto) e desse desafio surgiram alguns textos que irei partilhando convosco.

 

Numa das nossas várias conversas surgiu este tema, sobre o qual o mesmo decidiu falar no seu primeiro texto, que partilho já de seguida, convosco.

 

 

Normalmente, a gestação é encarada com um período especial na vida da mulher e é dada uma atenção mais cuidada às suas condições. Até aqui tudo bem, mas é de assinalar que este processo não está desligado do resto da vida que levam, até ao momento, as pessoas envolvidas. O que se pretende destacar é que a gestação de qualquer mulher não é um período isolado. Interessam os antecedentes, assim como não podemos ignorar o que se vai passar posteriormente, isto é após o nascimento da criança. Mas vamos reflectir sobre a preparação.

O que interessa destacar é que nada acontece de repente e que esse acontecimento – o nascimento de um ser humano – é preparado muito antes

Alguns desses factos passam-se, normalmente, sem a gestante lhes dar relevância. Na nossa sociedade actual, a gravidez centra-se nas condições exteriores da gestante. A preocupação é, sobretudo, se a mulher possui os meios materiais para dar à luz um ser saudável.

 

Ora acontece que não é assim. Sendo importante proporcionar o melhor ao ser humano que irá nascer, muitas vezes são secundarizados aspectos relevantes que nos falam das condições internas vividas pela mulher. Por exemplo, os estados emocionais da mãe, o que ela pensa, por vezes o que ela faz em seu próprio proveito e não do ser que tem dentro dela. Torna-se muito difícil levar uma mãe a prescindir dos vícios que adquiriu ao longo da sua existência, quando já está grávida. De certo modo, já é tarde, porque mesmo que ela se abstenha de alguns comportamentos, retomá-los-á mais tarde e, no que lhe diz respeito, tudo continuará igual. O filho não deixará de observar esses actos. Portanto, gravidez e educação são indissociáveis e devem ser vistas como uma oportunidade que temos para alterar positivamente algo na nossa maneira de ser, referente a todos os envolvidos: pai, mãe e restantes familiares e amigos.

A gestação pode ser encarada, também, como um enorme contributo à sociedade e não apenas como um acontecimento pessoal ou familiar. A mãe está a ajudar a criar um ser que, futuramente, se tornará num membro pleno da sociedade, que é de todos. Como tal, não é apenas o bem-estar da gestante que está em jogo,  mas o  das pessoas em geral. De certo modo, o ser que aí vem não é apenas dos pais, mas de toda sociedade, por isso esta também deverá proporcionar as condições propícias à gestação.

 

Como vemos, tudo se centra na nossa consciência. Enquanto a gravidez for encarada como um acto mais individual e não como um contributo fundamental para todos, a nossa sociedade tenderá a manter-se individualista.

É certo que a criança nasce de uma acção individual de ambos os pais e que a interferência social na sua educação tem limites, mas é um erro considera-la um exclusivo de quem a fez nascer. O ser humano é um ser social e pensá-lo e educá-lo não tendo em conta esse factor pode conduzi-lo a um egoísmo muito grande. 

 

 

José Mendes

Pág. 3/3