Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mulher, Filha & Mãe.

Sensibilizar (para) e apoiar (na) ansiedade e depressão na gravidez e no pós-parto

Mulher, Filha & Mãe.

Sensibilizar (para) e apoiar (na) ansiedade e depressão na gravidez e no pós-parto

Á conversa com a Ana #6 - "É quase impossível encontrar quem fale do que é ser mãe e ter um problema de saúde mental"

Estes dias descobri, através deste blog, que "1 em cada 5 mulheres irá sofrer de algum tipo de perturbação mental no período perinatal, a nível mundial." Descobri também que “7 em cada 10 mulheres escondem o que sentem, ou que com frequência o tentam disfarçar, sofrendo em silêncio com problemas que têm um enorme impacto em si, na sua vida conjugal e familiar.”

 

Não sei quais serão os números por aqui, em Portugal e, mais do que isso, não sei quem serão essas pessoas e quais serão as suas histórias. Porque pura e simplesmente não se fala, não se conhece quem tenha vivido ou esteja a viver uma depressão pós parto (ou um baby blues, ou uma psicose, ou…).

 

Olhando para as mães, para as fotos nas redes sociais, os comentários, os textos, as conversas entre amigas e colegas, parece que a maternidade é (apenas) uma bênção, uma coisa maravilhosa, que tudo faz valer a pena, porque quando vemos o sorriso deles tudo o resto desaparece. E tudo isto é verdade.

 

Ser mãe, para mim, tem sido uma viagem de descoberta de um amor que não cabe em mim. Com a C. descobri o que é amar incondicionalmente, o que por si só não é algo simples e automático. Amar alguém, filho ou não, sem quaisquer ses, mostrá-lo e senti-lo no dia-a-dia, mesmo no meio do cansaço, do stress, das tarefas infindáveis de um adulto, acrescido da mochila que trazemos do nosso passado, exige muito de nós. Exige uma enorme capacidade de autoconhecimento e de autorregulação emocional.

 

Mas, para além disto, existe sempre o outro lado, o lado de que ninguém fala. O lado menos bonito da maternidade. Não porque seja a maternidade em si. Tudo na vida, e em nós, contém um lado sombrio. Não gostamos de falar dele, mas devíamos e precisamos. E a maternidade é um lugar tão cheio de sombras das quais não se pronuncia qualquer palavra! Como descobri os tabus e os estigmas que envolvem a maternidade!

 

A primeira camada é o ser mãe em si, independentemente da existência de um problema de saúde mental. Uma mulher, depois de ser mãe, descobre que o mundo tem altas expectativas e ideias pré-definidas sobre o que é ser mãe. É regressar ao trabalho e perguntarem “Então custou muito voltar, não foi?”, eu responder “Não” e dizerem “Ah, não digas isso”, “Coitada” (da minha filha), “É porque é o primeiro dia”.

 

Estas expectativas e aquilo que vemos e ouvimos à nossa volta, do “é cansativo, mas vale a pena”, “ser mãe é mesmo assim”, fazem-nos ter receio de expressar o que realmente acontece, o que sentimos e o que pensamos. Pelo menos, comigo foi assim. Houvera dias em que me custou desempenhar o papel de mãe, em que me senti terrivelmente cansada e com vontade de que chegasse a hora de deitar da C. para finalmente poder descansar. E não há os “mas”, os “foi um dia terrível, mas a minha filha sorriu e esqueci tudo”. Não. Foi um dia terrível e tive vontade de não ser mãe por um bocadinho, ponto. É mesmo assim. Estar vivo implica passar por momentos distintos, de amor, de dor, de alegria, de tristeza. É uma alternância entre um lado, o luminoso, e o outro, o sombrio. É normal. É inevitável. Falemos com honestidade sobre isso. E ouçamos com empatia e compaixão.

 

Engraçado que em diversas situações sociais, tais como aniversários de crianças, eu e o meu marido vamos encontrando casais, recém pais, tal como nós. E, à pergunta de como tem corrido a experiência, todos respondem “sim, está a correr bem”. E a seguir, eu ou ele dizemos “nós tivemos um início difícil, a Ana teve uma DPP.” E aí algumas mães soltam discretamente, baixinho, que também foi difícil para elas.

 

Mas se é difícil encontrar quem fale de forma honesta e total acerca do que é ser mãe, encontrar quem fale sobre o que é ser mãe e viver um problema de saúde mental, é quase impossível. Quando iniciei o meu tratamento, e ao longo deste, senti uma necessidade muito grande de falar. Falava com o meu marido, mas precisava também de falar com quem tivesse passado pelo mesmo. Precisava de falar para não sentir que era a única. E então procurei grupos de partilha, presenciais e virtuais, ou organizações que pudessem trabalhar nesta área, e não encontrei nada.

 

Foto (2).jpg

 

Perguntei à médica de família, e ela não conhecia nenhum. Perguntei à psicóloga, e ela não conhecia nenhum. A psicóloga perguntou a colegas psicólogos, e ninguém conhecia. Uau! Como é possível? A experiência mais comum da nossa humanidade, ter filhos, e não existe ninguém, em Portugal, a falar sobre isso. Encontrei grupos de partilha nos EUA, em Inglaterra, no Brasil. Encontrei organizações que abordam estes temas e elaboram respostas para apoiar estas famílias e aqui, em Portugal, não encontrei nada.

 

Até que, numa dessas deambulações pela Internet, descobri este blog. Li os posts de partilhas e enviei um e-mail à Ana a contar a minha experiência. E fiquei surpreendida por ela ter respondido e me perguntar se podia publicá-lo. Não tinha pensado nisso. Acho que quando enviei o e-mail respondi apenas à minha necessidade de falar com alguém que passou pelo mesmo do que eu. Mas, a partir daí, abriu-se uma janela imensa de experiências e aprendizagens. Obrigada minha querida Ana por teres falado.