Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mulher, Filha e Mãe

Sensibilizar (para) e apoiar (na) ansiedade e depressão na gravidez e no pós-parto

Crónicas da nossa Equipa Clínica - "Casais que dialogam são mais felizes!"*

Utilizo imensas vezes esta história nas sessões de terapia de casal:

 

Um casal tomava o pequeno-almoço no dia das suas bodas de prata.
Enquanto a mulher passava a manteiga no miolo do pão para dar ao seu marido, pensava: “Sempre quis comer a melhor parte do pão – o miolo! Mas amo tanto o meu marido que, em 25 anos, sempre lhe dei o miolo para agradá-lo... Hoje acho que tenho o direito de satisfazer o meu desejo, pelo menos uma vez na vida…”

Para sua imediata surpresa, o rosto do marido abriu-se num sorriso sem fim e ele disse:
- Muito obrigado, meu amor. Durante 25 anos sempre quis comer a côdea do pão, mas como tu sempre gostaste tanto dela, jamais te ousei pedir!

 

É uma história que nos fala de amor. Uma mulher que deixa de comer a sua parte preferida do pão para a dar – por amor – ao marido, que por sua vez aceita pois pensa que a outra parte é a preferida da sua esposa e não lhe quer tirar esse prazer. Quantas vezes os casais praticam gestos semelhantes?

 

Achamos que estamos a fazer o outro feliz mas não é a realidade… É importante percebermos que somos todos diferentes. Ninguém pensa igual a ninguém e se não dissermos aquilo que queremos e gostamos o outro não tem a capacidade de adivinhar. Não é correto nem saudável esperar que o outro adivinhe o que estamos a pensar! É essencial transmitirmos de forma clara aquilo que desejamos e ouvir o mesmo do outro lado!


Uma regra fundamental na relação de casal é:

 

DIALOGAR, DIALOGAR, DIALOGAR E AINDA, DIALOGAR!

 

Evitamos situações com as da imagem infra em que um membro do casal não sabe – por exemplo – o porquê do outro não estar feliz:

 

 

 

Atenção, a comunicação não-verbal também é muito importante mas na relação de casal não resulta se não for acompanhada pela comunicação verbal, pelo diálogo a dois.

  

 

P.S.: NÃO SE ESQUEÇAM DE DIALOGAR

 

 

 

*Crónica por Isabel Sofia Pires (Terapeuta Familiar).