Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mulher, Filha e Mãe

Sensibilizar (para) e apoiar (na) ansiedade e depressão na gravidez e no pós-parto

Crónicas da nossa Equipa Clínica - "O que nos (co)move?"*

O que entendemos por valores? Sabemos quais são os nossos valores?

Podendo parecer que nada tem a ver com o tema, muito tem a ver com a reflexão pretendida para este post, pois os valores influenciam o nosso comportamento. Todas as nossas decisões são guiadas pelos nossos valores.

 

É fundamental termos a noção de quais são os nossos valores e qual a nossa hierarquização de valores para podermos compreender as nossas ações.

Ter a noção de quais são os valores que nos motivam ou retraem, que estão por trás das crenças que construímos, as quais moldam a nossa visão.

Aqueles valores que determinam a emoção que associamos a uma determinada ação e que no momento de optar/decidir nos fazem seguir um ou outro caminho. No fundo os valores que nos (co)movem...

 

esquema valores.jpg

 

Existem várias teorias e que haja registos existem estudos feitos por filósofos desde a Grécia Antiga. Mas poderemos dizer que os valores são conceitos que justificam as nossas ações, sendo algo subjetivo, ou seja duas pessoas poderão atribuir significados diferente a um mesmo valor.

Exemplos de valores são: solidariedade, honestidade, lealdade, justiça, cidadania, liberdade ou ainda reconhecimento, amizade, família, respeito, segurança, humildade, responsabilidade,...

 

Veja-se o seguinte exemplo:

Certo indivíduo cujo objetivo era o de conseguir um ordenado melhor, foi questionado a respeito dos seus valores. Como resposta ele definiu que esta valorização financeira lhe traria mais segurança junto da sua família, um maior conforto, estabilidade para usufruir dos seus gastos em família sem preocupações, entre outras coisas.

Neste pequeno discurso é possível ver quais são os seus valores (família, tranquilidade, segurança) e a importância que o mesmo atribui à sua família e como isso torna a Família um valor positivo que irá auxiliá-lo na execução do seu objetivo.

 

Portanto, para além da noção dos nossos valores, é fundamental perceber qual a importância que atribuimos a cada valor. Isto porque de uma forma geral, numa mesma sociedade, poderemos ter os mesmos valores, mas em hierarquias diferentes. É esta hierarquização de valores que leva a que tenhamos resultados diferentes, porque vamos ter ações, comportamentos, decisões diferentes consoante o que mais valorizamos ou menos...

 

Valores.jpg.bmp

 

Para termos a noção de quais são os nossos valores temos que nos questionar. O que é mais importante na minha vida? Qual o sentimento que me traz? Porque é importante para mim? De seguida, fazer uma lista de pelo menos 5 valores importantes.

 

Quando tomamos consciência dos nossos valores e da nossa ordem de valores conseguimos, não só compreender muito melhor os nossos comportamentos e reações e deste modo muda a forma como nos vemos, como também esse nível de consciência permite melhorar os nossos relacionamentos.

Veja-se o seguinte exemplo:

Um elemento de um casal compreendeu a origem das piores discussões entre ambos ao tomar consciência de que o seu valor mais importante era o reconhecimento. Um dia foram os dois a um ginásio e a mulher disse ao monitor “Olhe, trago mais um”, no sentido de propor um desconto, o marido ficou zangado “Mais um, como assim, eu sou o marido!”. Ao ganhar esta consciência pôde não só compreender as suas reações e moderá-las, como também resolver melhor o conflito explicando à mulher o que sentia nestas situações, passando assim a relação para outro patamar.

 

Os valores são o resultado da nossa genética, educação, sociedade, cultura e moldam a nossa personalidade, a qual vai mudando ao longo da vida...

Neste sentido outro aspeto importante na tomada de consciência da nossa ordem de valores é podermos trabalhar e ajustar esses valores de modo a alcançar objetivos traçados e atingir resultados pretendidos, o que implica uma mudança de paradigmas... mas esta será uma reflexão para um futuro post.

 

move valores.jpg

 

*Crónica por Raquel Vaz (Psicóloga Clínica)