Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mulher, Filha e Mãe

Sensibilizar (para) e apoiar (na) ansiedade e depressão na gravidez e no pós-parto

Curiosidades sobre a saúde mental das mulheres

Sabiam que...

 

 

...Dados sobre a prevalência de problemas relacionados com a saúde mental mostram que 22.9% das pessoas em Portugal sofre de uma doença psiquiátrica.* 

 

...Em Portugal, as doenças que mais se destacam são as relacionadas com a ansiedade.*

 

...As mulheres apresentam o dobro da probabilidade de sofrer de doença psiquiátrica do que os homens.** 

 

...As mulheres apresentam um risco maior do que os homens de sofrer perturbações depressivas e da ansiedade.*

 

...Excetuando a doença cardíaca, a depressão é a doença crónica que mais afeta as mulheres, as quais apresentam uma vulnerabilidade maior para esta doença nos anos reprodutivos (entre os 18 e os 44 anos).**

 

...A depressão é, também, a principal causa de internamento não obstétrico nas mulheres entre os 18 e os 44 anos. Sendo estes os anos em que a maioria das mulheres tem filhos, existe uma possibilidade elevada de muitas estarem deprimidas durante o período perinatal.**

 

...Nos primeiros meses após o parto, a taxa de novos episódios de depressão é mais elevada do que noutras alturas da vida da mulher.**

 

...As mulheres detém um maior número de consumo de psicofármacos, especialmente, ansiolíticos e antidepressivos.*

 

alone-art-beautiful-black-Favim.com-2917343.jpg

 

 

Já há muito que é conhecida a maior propensão para a doença psiquiátrica por parte das mulheres relativamente aos homens, e as explicações para estas discrepâncias encontram-se em modelos multi-fatoriais que incluem fatores biológicos (p/ex. endócrinos, genéticos, etc.), sociais (p/ex. fatores socioeconómicos, apoio social, etc.) e psicológicos (p/ex. estilo cognitivo, personalidade, etc.).

Estudos epidemiológicos mostram que as diferenças de género neste âmbito começam a evidenciar-se no inicio da adolescência, continuando na idade adulta, nomeadamente nos anos de idade fértil das mulheres, persistindo até à quinta década de vida. 

 

 

 

*- Caldas de Almeida, J., & Xavier, M. (2013). Estudo Epidemiológico Nacional de Saúde Mental (Vol.1). Lisboa: Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa. 

**- Macedo, A.F. & Pereira, A. T. (Coords) (2014). Saúde Mental Perinatal: Maternidade nem sempre rima com felicidade. Lousã: Lidel.