Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mulher, Filha e Mãe

Sensibilizar (para) e apoiar (na) ansiedade e depressão na gravidez e no pós-parto

Dançar, faz bem à alma!

Abriu-me a porta e disse:

 

"Vai entrando e vai já dançando. Aproveita a energia desta música." E assim foi.

Entrei, descalcei-me, entrei na roda já formada pelas participantes presentes e aproveitei a energia da música. 

Pareceu-me que estava a entrar numa viagem. Só que ao revés do habitual, tirei o cinto e deixei-me levar.

Há medida que o tempo passava, parecia que estava a flutuar enquanto me movia ao som de músicas que, embora desconhecesse, faziam e davam todo o sentido ao momento e ao que era orientado pela Tatiana - a professora.

 

Assim que comecei a dançar entrei em contacto comigo mesma. Não vos consigo explicar bem como, nem porquê, mas a verdade é que após alguns anos de ausência de movimentos tão coordenados como os que qualquer dança acaba por exigir, recomeçar a mover-me ao som de vários tipos de sons que me preencheram, comoveram e que automaticamente me fizeram sorrir e emergir em mim mesma, fez-me sentir em paz. Estava, cada vez mais tranquila, em movimento, entregue ao momento, e sim, em paz.

 

 

Há algum tempo que ansiava por esta sensação, e é tão óbvio (para mim) que a tivesse encontrado ao ritmo de uma dança.

A dança sempre fez parte da minha vida, e a verdade, é que esta, não foi, não era, qualquer tipo de dança.

Fui experimentar uma aula de dança para grávidas guiada pela Tatiana do Embalaiê - centro de desenvolvimento infantil pela dança - e saí de lá, praticamente como se tivesse terminado uma sessão de meditação. Como se tivesse entrado completamente em contacto com o que de mais puro sou, e essa sensação tivesse florescido e albergado todo o meu corpo e alma, e me tivesse impulsionado para uma sensação de leveza, tranquilidade e felicidade. 

 

No final de uma dura semana de trabalho, imaginam o quanto esta aula me soube bem?

 

Várias vezes me veio ao pensamento que, se já estava a ser tão bom e eu nem estava grávida, então se estivesse, teria entrado em êxtase com tudo o que dança guiada pela Tatiana promoveu e me fez sentir de bom.

Tive pena de não ter encontrado estas aulas durante a minha gravidez, pois não tenho a menor dúvida do beneficio que teriam para mim, para a Madalena e para mim e para a Madalena. 

 

Fizemos questão que a experimentasse, pois só assim poderia sentir os seus efeitos e transmitir-vos da melhor forma possível uma experiência na primeira pessoa.

Espero sinceramente que mais mulheres, bebés e grávidas possam sentir os seus efeitos, pois não tenho a menor dúvida do beneficio que estas aulas têm e terão para qualquer um que as experimente, a curto, médio e longo prazo.

 

Gostavam de experimentar?