Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mulher, Filha e Mãe

Sensibilizar (para) e apoiar (na) ansiedade e depressão na gravidez e no pós-parto

Desafios no relacionamento conjugal no início da maternidade

Muitas vezes os ( também novos, mas não só) pais, enquanto casal, têm uma tendência frequente para que discussões (de múltipla causalidade) ocorram até compreenderem como é que se podem apoiar e satisfazerem as necessidades emocionais um do outro. Não é incomum, para ambos, a experimentação de sentimentos de perda, a sensação de serem menos apreciados pelo(a) companheiro(a), menos valorizados, ou até menos amados do que antes de serem pais. Isto pode aumentar a tensão e contribuir para a experiência de ansiedade e depressão entre ambos e/ou de cada um. 

 

É comum ouvirem-se as mulheres falarem sobre esta realidade, e até mesmo os seus parceiros falam sobre estes factos, mas muitas vezes abordam a questão maioritariamente por não saberem como lidar com este tipo de situação considerada pelos próprios como estranha/desconhecida. 

 

4349 Editada.jpg

 

Também é natural considerar-se e sentir-se esta realidade como um paradoxo. Afinal, o mundo da maternidade que muitas vezes é pintado às cores, revela-se em tons mais cinzentos para muitos, e negro para alguns, no seu inicio. Contudo, não nos podemos esquecer do quão delicado é o momento que estamos a abordar!

É verdade que nem tudo são rosas na maternidade, mas também nem tudo são espinhos. E, especialmente se algum dos membros do casal - ou mesmo os dois - experimentarem algum tipo de perturbação do foro da saúde mental perinatal, então a vulnerabilidade será superior e os momentos de tensão e conflitos entre o casal poderão aumentar. Experimentar esta vulnerabilidade enquanto se cuida de um bebé poderá tornar-se muito assustador, pelo que todo o tipo de apoio, compreensão e tolerância por parte da família e amigos revela-se um elemento chave e que também marca o percurso que é trilhado pelo casal neste período de suas vidas. É vital que os casais tenham acesso a apoio especializado, criem um espaço seguro para explorarem os seus desafios individuais e aprendam a apoiar-se melhor. 

 

Isso pode incluir o recurso à psicoterapia, terapia familiar, ou simplesmente a adesão a um grupo de pais, ou até mesmo reunirem-se regularmente com amigos, onde conversas abertas e honestas sobre a presente temática podem ser compartilhadas com outros na mesma jornada. Assim como é vital que a saúde mental seja priorizada, integrar o relacionamento como uma parte crucial desta recuperação em curso também é importante.

 

O resultado provável é um relacionamento de casal mais forte e uma unidade familiar mais feliz. Mas sim, sem dúvida alguma que os desafios no relacionamento conjugal após a maternidade são muitos. Aliás, mais do que muitos. São diários, constantes, e frequentemente trazem dúvidas e confusões internas, que através de uma boa capacidade de comunicação entre ambos, tornam-se mais simples de resolver. 

 

Fonte