Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mulher, Filha e Mãe

Sensibilizar (para) e apoiar (na) ansiedade e depressão na gravidez e no pós-parto

O apoio da família é fundamental! - artigo publicado na plataforma Maria Capaz.

Mais um artigo publicado na plataforma Maria Capaz que poderão consultar aqui, ou ler de seguida. 

 

apoio da familia é fundamental.png

 

Sim, é verdade! Em qualquer fase da nossa vida, ter uma família que nos apoie é fundamental! E por família identifico  @ companheir@, filh@, mãe, pai, sogr@, irmã,  ti@, o irmão, amig@, prim@ enfim, todos e/ou qualquer um, que nos sejam verdadeiramente significativos.

 

Contudo, após alguns anos de existência confesso que nunca senti tanto a necessidade de apoio, suporte, (verdadeira) compreensão, tolerância e afeto, como senti na fase do pós-parto, enquanto viajava pelo mundo da recém-maternidade.  O turbilhão de emoções que nos envolve a cada novo dia que passa, as múltiplas adaptações que o nosso corpo comporta diariamente, e toda a interpretação e integração das mais variadas experiências e memórias que nos vão surgindo enquanto vamos construindo lenta e intensamente o nosso papel de mãe, não só justifica como consolida em simultâneo a necessidade de apoio por parte da família neste momento da nossa vida.

 

Precisamos de espaço, mas também precisamos de quem compreenda quando queremos um abraço. Precisamos de tempo, mas também precisamos de quem saiba identificar o adequado momento. Precisamos de ajuda para cuidar, mas também precisamos de quem não nos deite abaixo. Precisamos de quem limpe, organize, escute, observe, não julgue e compreenda que nem sempre vamos estar prontas para sorrir, ouvir, falar, ser ou simplesmente, estar.

Pensem que é das hormonas, das dores, das adaptações, das noites sem dormir, do cansaço, da confusão ou da desorganização psicoafetiva que para aqui vai. Pensem o que quiserem.

Pensem que antes dávamos tudo e que hoje dispomos de pouco ou quase nada para quem nos visita. Mas depois de acharem, pensarem, suporem, imaginarem, julgarem e refletirem, lembrem-se que diante de vós está a mulher de sempre. Ciclotímica ou não. Com um humor mais ou menos deprimido, está, por detrás deste cinzento véu que muitas vezes persiste em ficar, a mulher, filha, sobrinha, irmã, neta, prima, amiga e agora mãe, que precisa (talvez até, mais do que nunca) da vossa profunda reflexão sobre o conceito de apoio e compreensão, para concomitantemente tornarem o mais confortável possível, esta estreita fase que nos alberga, e por vezes, nos cega.

 

Se este tipo de apoio é comummente praticado? Talvez não, talvez sim. Mas já há muito que este fator é altamente estudado pelos conhecedores destas matérias, e quer aceitem, contestem, duvidem e/ou acreditem, a verdade é que o apoio da família nesta fase é fundamental!

E no fim – ou mesmo no início e durante a viagem – quando existe e persiste, faz frente, e teima solidamente com as suas emoções, atenuando, ou até mesmo prevenindo o desenvolvimento de perturbações como o Baby Blues e a Depressão Pós-Parto, transformando as típicas alterações que caracterizam a tão peculiar fase do início do pós-parto, em pequenas crostas emocionais, que pela sua desenvoltura cairão, deixando uma subtil, ou mesmo nula marca.

 

 

 Espero que tenham gostado, e que acima de tudo, vos faça refletir.