Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Mulher, Filha e Mãe

Sensibilizar (para) e apoiar (na) ansiedade e depressão na gravidez e no pós-parto

O prazer de ser.

Podemos aprender com os melhores, seguindo os seus bons exemplos. E com os piores, podemos aprender a não cometer os erros que neles identificamos.

E essas duas atitudes, curiosamente, serão formas de apoio a uns e a outros. Reforçando por solidariedade no primeiro caso, questionando o sentido por afastamento no segundo, a quem, finalmente, também se oferece a força do nosso exemplo.

Gosto da palavra "Oferece", talvez porque  o que de mais bonito há na vida não se compra, nem se vende. Conquista-se, ganha-se, descobre-se, encontra-se, sente-se, vive-se, transmite-se, dá-se.

E assim nos vamos sentindo cada vez mais iguais a nós próprios, não por ter, nem por parecer, mas, afinal, por ser. Por nos irmos aproximando gradual e lentamente, daquilo que desejamos ser. Por irmos conquistando o direito de sermos iguais a nós próprios. Pelo prazer de ser. 

 

In O Prazer de ser - Luís Portela. P.11.

 

 

Há poucos dias estava a ler esta passagem no respetivo livro, e achei que a deveria partilhar convosco. 

Dizem que é na adolescência que construímos a nossa personalidade, ou pelo menos, a sua base. Mas pelo que percebo, há tanto em nós que se vai diluindo, consolidado, mistificando com tempo, e há medida que o tempo passa, vamo-nos descobrindo a cada momento. Sendo no erro ou na perícia, revemo-nos em pedaços de atitudes e comportamentos onde nos identificamos e concordamos, ou nem por isso. E assim, pouco a pouco, vamo-nos construindo e cultivando.

Há dias em que nos adoramos, há dias em que não. Corremos, acomodamo-nos, cultivamo-nos e assim vamos vivendo, e quantas vezes conseguimos colocar o filme da nossa vida numa perspetiva em que somos meros observadores? 

Pergunto-me, por vezes, o que leva as pessoas a evitarem observarem-se a si mesmas e a constatarem pessoalmente que não são, de todo, perfeitas, mas que tal como todos nós, a intenção e a vivência dessa observação leva-as a atingirem um grande prazer. O prazer de ser. 

 

 

Quantas vezes têm, efetivamente, o prazer de ser?

1 comentário

Comentar post