Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mulher, Filha e Mãe

Sensibilizar (para) e apoiar (na) ansiedade e depressão na gravidez e no pós-parto

Estás a preocupar-te demais! Não vês que o bebé está bem?

Nos diversos contactos com mulheres grávidas e no pós-parto, que vou tendo através do blogue, e onde muitas vezes são descritas passagens de vida onde afirmações como a que evidencio no titulo deste texto são bastante comuns, várias vezes me questiono sobre porquê, onde e quando é que as pessoas se deixaram de preocupar com as mulheres e homens nesta fase do ciclo de vida. Ou então, porquê, onde e quando o deixaram de o manifestar. 

 

E reparem que evidencio o papel da mulher e do homem neste texto, e não o da mãe ou o do pai. Pois embora estejam interligados, inseridos num fundo comum a uma mesma pessoa, constituem-se lugares diferentes e que de igual medida, mas de diferente forma, necessitam de ser nutridos e acarinhados. 

 

Os bebés são inquestionavelmente seres que só pela sua imagem apelam ao nosso contacto e dedicação. E há muito que isto é um facto conhecido e amplamente estudado.

Os  bebés precisam muito do amor, carinho, atenção e da envolvência de quem os cuida. E quem os cuida, por norma, são os pais. No entanto, também os pais necessitam de amor, atenção e envolvência de quem os rodeia. Possivelmente, mais do que em muitos momentos de suas vidas. Este, por norma, é o momento em que também os pais, que (por vezes) nascem quando nasce um bebé, precisam de apoio e orientação. Falo de amigos, de família, mas também falo da comunidade que os envolve e onde estão inseridos os profissionais de saúde com quem contactam, assim como, os vizinhos, os senhores dos cafés onde costumam ir, assim como, os do supermercado ou da mercearia, talho, mercado e afins.

 

post-partum-depression.jpg

 

 

Quando digo que precisam, acreditem que muitas vezes não é de forma declarada. Muitas vezes, os pais, precisam lá bem no seu íntimo que essa compreensão, apoio, orientação seja espelhada em diversos detalhes do dia-a-dia, mesmo que eles, não o verbalizem. Imaginem comigo, não acham que é difícil acabar de ter um bebé, e verbalizar que se precisa de ajuda, especialmente a nível emocional, porque não se sentem bem, ou porque não se sentem capazes, ou porque questionam continuamente a sua capacidade de cuidar? 

 

Qual acham que seria a resposta da maioria das pessoas que os rodeiam? 

Como é que acham que estes pais se sentem? A nascerem pais, e com estas dúvidas constantes na cabeça, e possivelmente desesperançados de algum tipo de resposta neste sentido?

 

Eu tenho uma ideia. 

 

Quando vos falo de apoio, compreensão e orientação, também vos posso dar alguns exemplos mais práticos.

Por exemplo:

  • Precisam que os "senhores dos cafés" os recebam como de costume, e não que questionem com frequência se os pais não deviam era estar em casa porque faz frio, ou porque o bebé precisa é de estar em casa e não sair (nos seus pontos de vista) considerando logo à partida que o bebé pode não estar muito confortável porque chora, ou porque simplesmente, assim o consideram (mas como é que eles sabem disto?! Em que é que se baseiam? Numa sabedoria popular? E porque não perguntam diretamente aos pais o que estes acham? Não seria esta uma forma mais simples de se mostrar essa compreensão em vez de se questionar a sensibilidade e o papel dos pais logo à partida? Digo eu...);

 

  • Precisam que as pessoas nos supermercados, na rua, nas lojas e afins, não fiquem fixamente a olhar quando veem um bebé chorar (Sabem... os bebés choram, e por vezes, os pais simplesmente ficam sem saber o que fazer/responder a este bebé naquele momento. Acontece. Ainda por cima quando todos os que os rodeiam resolvem fixar manifestamente o momento, expressando emoções que transmitem pouca confiança/desconforto de alguma forma. Por vezes, até os pais mais confiantes se sentem envergonhados nestes momentos. Mas é assim, na generalidade dos casos, faz parte do "conhecer o bebé", e do "conhecerem-se a si próprios enquanto pais deste bebé" pois este não nasce concomitantemente com livro de instruções na mão e/ou com uma previsibilidade comportamental estampada na testa. Sabiam?);

 

  • Precisam que os amigos e família respeitem a sua preferência de não haver visitas em casa nos primeiros tempos, assim como, que tenham alguma consciência de que se querem efetivamente ir visitá-los que é importante perguntarem a sua opinião, ou até, levarem o almoço/jantar e assim é menos uma refeição que estes pais têm de fazer. Ah! E se alguém ajudasse a passar uma roupinha a ferro? Ou a por uma ou outra máquina a lavar? Ou ajudasse a dar um jeitinho à casa? Ou ficassem, pelo menos, 10 minutos a tomar conta do bebé para estes pais irem tomar um banho, considerando por eles, minimamente decente? São só algumas ideias, mas podia dar-vos muitas mais!

 

pregnant-sad-woman.jpg

 

Bom, exemplos desta índole, não faltam! Mas não é só sobre isto que vos quero falar neste texto. É também, e especialmente, sobre o facto de haverem determinados momentos ao longo da gravidez e/ou no pós-parto onde os pais acabam por sentir maior preocupação em relação ao bebé. Seja porque o desejam há muito tempo e agora vão tê-lo nos seus braços e não querem que "nada corra mal", seja porque houve uma gravidez de risco difícil de se lidar, seja porque houve uma ecografia que demonstrou algumas possíveis alterações que posteriormente se vieram a verificar falsas, seja porque o parto não correu como o esperado, seja porque o temperamento do bebé não é o imaginado, ou por qualquer outro motivo. Seja pelo que for, existe uma preocupação, um motivo de dúvida, algo que poderá causar uma ansiedade crescente neste período, que por si só, já é muito delicado a nível emocional. 

 

A questão é, porque é que as pessoas teimam em desvalorizar este tipo de preocupações, se à partida, e ainda por cima quando declaradas pelos próprios pais, são motivo de ansiedade crescente e/ou até angústia associada em muitos casos? Porque é que optam por desvalorizar, focando-se no facto de bebé estar bem, não dando espaço a estes pais para se expressarem? Dizerem efetivamente o que sentem e porque o sentem? 

 

Porque é que é assim tão complicado? 

 

É difícil lidar com o sofrimento alheio. É difícil lidar com o próprio sofrimento em si. Pode ser verdade para muitos. Mas estes pais precisam deste apoio neste momento. Este bebé precisa que os pais se sintam apoiados neste momento. E daqui a alguns anos, ouvirão, possivelmente, um adulto a verbalizar que outrora, também precisou de se sentir mais apoiado.  

 

Já dizia Dalai Lama uma afirmação com que muito me identifico: 

 

"Só existem dois dias no ano que nada pode ser feito. Um chama-se ontem e o outro chama-se amanhã, portanto hoje é o dia certo para amar, acreditar, fazer e principalmente viver."

 

Portanto, o dia ontem já não podemos mudar. Podemos sim, aprender a viver com ele. O dia de amanhã, ainda não sabemos como será. Simplesmente perspetivamos, planeamos. Então, parece-me que o dia de hoje é perfeito para se começar a trabalhar neste sentido. E começando a refletir verdadeiramente sobre o tema, pode ser, definitivamente, um primeiro passo. Um passo muito útil para todos nós. 

 

centro@mulherfilhaemae.pt

Ansiedade e depressão na gravidez e pós-parto: Porquê pedir ajuda?

Porque há solução! 

 

Porque o sofrimento não tem de ser uma constante. 

Porque não é necessário suportar tudo em silêncio.

Porque voltar a estar bem consigo mesma, é uma forte possibilidade.

Porque existem vários recursos a que pode recorrer.

Porque vai-se sentir mais tranquila e segura.

Porque tem muitos dos recursos que precisa dentro de si para ultrapassar este momento.

 

postpartum-depression-study.jpg

 

 

A gravidez e/ou o pós-parto podem não ter começado da forma mais tranquila possível, ou pelo menos, da forma como esperou. Contudo, não tem de permanecer assim. Há profissionais que a podem apoiar, existem recursos a que pode ter acesso, e com o tratamento e acompanhamento adequado pode voltar a encontrar o equilíbrio que procura. 

 

Considerando o meu percurso pessoal e profissional, desenvolvi um projeto de apoio a mulheres com alterações emocionais na gravidez e no pós-parto. 

 

Brevemente avançarei com mais informações sobre o projeto. Contudo, se até lá considerar que lhe posso ser útil em algo dentro desta temática, aqui ficam os meus contactos:

 

E-mail:
centro@mulherfilhaemae.pt

Telemóvel:
(+351) 936 180 928

Porque é que o nosso cérebro se torna ansioso?

A ansiedade está presente numa grande fatia da população portuguesa, e o mesmo aplica-se quando falamos sobre saúde mental perinatal

 

Há pouco tempo li um livro sobre algumas técnicas para controlar a ansiedade, de Margaret Wehrenberg, e de uma forma bastante simples e objetiva a autora leva-nos a compreender o lado mais técnico da ansiedade. Achei curiosa a forma como fez a ponte entre a neurociência e o comportamento humano para o leitor (mesmo podendo ser o útimo leigo na questão) para que este pudesse aceder de forma mais simples a este tipo de informação. Desta forma, e tendo em conta que a ansiedade é um tema que muitas vezes é abordado quando falamos de gravidez e pós-parto, resolvi trazer aqui um pequeno resumo para responder à questão: Porque é que o nosso cérebro se torna ansioso? 

 

O cérebro integra uma rede complexa de células cerebrais chamadas de neurónios, todas interligadas entre si.

Há muito ainda para conhecer sobre o funcionamento do cérebro, contudo, algo que se sabe até agora é que todos os pensamentos que temos e todas as emoções que sentimos, são resultado da atividade cerebral, e da mesma maneira que não nos sentimos bem quando algum órgão não está a funcionar adequadamente, os nossos pensamentos e emoções podem sofrer perturbações se o cérebro não estiver a funcionar bem.

 

 

Os neurónios comunicam entre si através de mensageiros específicos, os chamados neurotransmissores. Quando há problemas ao nível da sua quantidade - podem ser insuficientes, ou suficientes, mas não conseguirem passar a mensagem de um neurónio para outro, ou estarem presentes em excesso - e qualidade - no que toca ao local do cérebro onde são recebidos, ou, por exemplo, se houverem dificuldades no recebimento da mensagem no ponto de chegada, podendo haver neurónios que não as recebem com facilidade - a pessoa pode desenvolver ansiedade, ficando preocupada, reagindo excessivamente ao stress, ficando em pânico, ou até dando demasiado importância a coisas que não a merecem.

 

O tipo de sintoma que sentimos depende do tipo de neurotransmissores que tem problemas num determinado local do cérebro.

 

Estes sintomas podem ir desde o negativismo, à preocupação, a uma maior sensibilidade à ameaça, à perda de controlo emocional, a preocupações recorrentes, à demonstração de uma atitude inflexível, à agitação geral, à inquietação interior, tensão física e mental, ataques de pânico, sensação de desespero, concentração excessiva nos pormenores, entre outros. 

 

Durante o período perinatal (que vai desde a conceção até ao pós-parto), muitas pessoas referem sentir ansiedade de uma forma geral, com vários tipos de manifestações como as supracitadas, tal como, em parte, já abordei aqui

Seja neste período, ou em qualquer outro da vida, aprender e praticar algumas técnicas de meditação e relaxamento pode ajudar a atenuar este tipo de sintomatologia. Nesta fase, o controlo da ansiedade ganha um maior relevo tendo em conta o período em questão, e a influência do comportamento materno sobre o feto/bebé.

 

Em breve falarei mais sobre algumas técnicas de meditação e relaxamento, e divulgarei algumas datas para as podermos aprender e realizar em grupo, tal como aconteceu aqui. 

 

Interessados? 

blog@mulherfilhamae.pt

E se eu não sentir paz, tranquilidade e felicidade durante esta época festiva?

Momentos festivos como o Natal e a passagem de ano veem agregados a uma série de expectativas (um pouco como o inicio da maternidade e paternidade): família e amigos, a comemorarem juntos, a desejarem o melhor para si, a partilharem refeições, presentes, risos e companheirismo. O que muitas vezes poderá sentir se foi há relativamente pouco tempo mãe, poderá ser antagónico ao que é observado na realidade, e quanto maiores as expectativas criadas em torno destes momentos, maior poderá ser a deceção que poderá ocorrer.

 

 

Para aqueles que estão a passar tempo com a família, esta época festiva pode ser catalisadora quanto à abertura de feridas do passado, podendo também promover o retorno de feridas antigas, ainda abertas. Para outros, estar imerso na "alegria" aparente pode aumentar a sensação de solidão e o isolamento, contribuindo para o aumento da ansiedade.

 

Se é isto que sente, e ao mesmo, tem compromissos que sente que precisa manter, vale a pena questionar-se sobre:

- "Como posso cumprir melhor as minhas obrigações e, ao mesmo tempo, priorizar o meu próprio bem-estar?"

- "Como me protejo de danos desnecessários?"

- "Que tipo de recursos internos e externos posso utilizar para me sentir melhor comigo mesmo?"

- "O que precisamos enquanto família para limitar o stresse e aproveitar este tempo como estamos?"

 

Como mãe ou pai, o vosso bem-estar e o bem-estar do vosso filho estão diretamente ligados. Este poderia ser o ano em que se permitem fazer algo diferente, criando novas memórias e tradições que funcionam para vós.

 

Se assim é, têm alguma ideia, ou já fizeram algo diferente?

blog@mulherfilhamae.pt

 

Post baseado neste texto

Curiosidades sobre a saúde mental das mulheres

Sabiam que...

 

 

...Dados sobre a prevalência de problemas relacionados com a saúde mental mostram que 22.9% das pessoas em Portugal sofre de uma doença psiquiátrica.* 

 

...Em Portugal, as doenças que mais se destacam são as relacionadas com a ansiedade.*

 

...As mulheres apresentam o dobro da probabilidade de sofrer de doença psiquiátrica do que os homens.** 

 

...As mulheres apresentam um risco maior do que os homens de sofrer perturbações depressivas e da ansiedade.*

 

...Excetuando a doença cardíaca, a depressão é a doença crónica que mais afeta as mulheres, as quais apresentam uma vulnerabilidade maior para esta doença nos anos reprodutivos (entre os 18 e os 44 anos).**

 

...A depressão é, também, a principal causa de internamento não obstétrico nas mulheres entre os 18 e os 44 anos. Sendo estes os anos em que a maioria das mulheres tem filhos, existe uma possibilidade elevada de muitas estarem deprimidas durante o período perinatal.**

 

...Nos primeiros meses após o parto, a taxa de novos episódios de depressão é mais elevada do que noutras alturas da vida da mulher.**

 

...As mulheres detém um maior número de consumo de psicofármacos, especialmente, ansiolíticos e antidepressivos.*

 

alone-art-beautiful-black-Favim.com-2917343.jpg

 

 

Já há muito que é conhecida a maior propensão para a doença psiquiátrica por parte das mulheres relativamente aos homens, e as explicações para estas discrepâncias encontram-se em modelos multi-fatoriais que incluem fatores biológicos (p/ex. endócrinos, genéticos, etc.), sociais (p/ex. fatores socioeconómicos, apoio social, etc.) e psicológicos (p/ex. estilo cognitivo, personalidade, etc.).

Estudos epidemiológicos mostram que as diferenças de género neste âmbito começam a evidenciar-se no inicio da adolescência, continuando na idade adulta, nomeadamente nos anos de idade fértil das mulheres, persistindo até à quinta década de vida. 

 

 

 

*- Caldas de Almeida, J., & Xavier, M. (2013). Estudo Epidemiológico Nacional de Saúde Mental (Vol.1). Lisboa: Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa. 

**- Macedo, A.F. & Pereira, A. T. (Coords) (2014). Saúde Mental Perinatal: Maternidade nem sempre rima com felicidade. Lousã: Lidel.

Em conversa com... Um homem que (sobre)viveu aos tais Baby Blues. Já ouviram falar?

Baby Blues ou Melancolia pós-parto é uma "perturbação do humor" transitória, com sintomatologia intensa, mas de pouca durabilidade, comparativamente a outras perturbações pós-parto.

Surge entre o terceiro e o sétimo dia pós-parto, persistindo por uma a duas semanas, podendo no entanto, prolongar-se por mais tempo, e abrange cerca de 80% das puérperas (mulheres que se encontram numa fase pós-parto até às 6 semanas, a partir do nascimento do bebé) de acordo com a OMS (2007).

 

Os sintomas mais comuns inserem-se na labilidade emocional, irritabilidade, ansiedade, insónia, fadiga, perda de apetite, alterações de humor, falta de confiança em si própria, crises de choro, hiperemotividade, sentimentos de incapacidade. Porém, para muitos autores que se dedicaram ao estudo deste estado, é a labilidade de humor e as crises de choro que são fontes de evidência do surgimento da melancolia pós-parto, para a maioria dos casais.

Muitos autores consideram ainda que este, não é um estado patológico, mas sim, um estado essencial para promover a adaptação da mãe ao bebé, favorecendo o alivio do stress e ansiedade que acomete o puerpério.

 

As variações hormonais, a forma como se viveu a gravidez, o apoio do conjugue, dos familiares mais próximos, amigos, etc., pode estar na origem do seu aparecimento e/ou favorecer uma melhor ou pior gestão do Baby Blues.

 

Aproveitando a chegada do dia do Pai, e tendo em conta a alta percentagem de casos estimados,  Mulher, Filha & Mãe esteve à conversa com um amigo, um Homem que viveu de perto um caso de Baby Blues, e tentou captar a prespetiva masculina da questão.

Ele preferiu manter o anonimato, pelo que o retratei por V.

 

Ora, vejam lá o resultado.

 

 

 

MF&M: Sabias o que era o Baby Blues?

V: Não. Nunca tinha ouvido falar. Já tinha ouvido qualquer coisa (mas nada especifico) sobre depressão pós-parto, mas nem sequer sabia se tinha muito, pouco ou nada a ver com o babyblues.  

 

MF&M: Quando a tua esposa começou a vivenciar esta situação, apercebeste-te logo do que se estava a passar?

V: Logo, logo, não. Demorou alguns dias até perceber que o que se estava a passar não era uma simples tristeza momentânea. Mas notei que algo não estava bem na sua forma de estar, ser, pensar.

Lembro-me do primeiro dia em que chegámos a casa da maternidade, de vê-la sentada no cadeirão no quarto da nossa filha, e de alguma forma o olhar vago, e triste que ela transmitia, o facto de se estar sempre a querer isolar do resto da família, me deixou um pouco desconfiado a pensar que alguma coisa se passava, mas não dei logo a devida importância.

 

MF&M: O que sentiste quando presenciaste um "primeiro episódio"?

V: Eu não lhe chamaria episódio. Eu chamar-lhe-ia estado. Isto, porque não há um episódio de vez em quando e depois a pessoa está bem ou normal. Existe uma mudança de estado global da própria pessoa. Ou pelo menos, foi isso que senti, que observei. 

Mas respondendo à tua pergunta, inicialmente senti receio do que o que quer que se estivesse a passar, pudesse fazer à nossa relação, mas como te disse, ao mesmo tempo, inicialmente, também pensei que fosse algo momentâneo. Posteriormente é que comecei a perceber que não.

 

MF&M: Como classificarias então, esse estado?

V: Ela andava muito mais irritada, mais triste, mais nervosa, chorava facilmente por qualquer coisa, mais insegura em relação a tudo, não queria sair (o que não era nada comum na pessoa que estamos a falar), nem estar com ninguém conhecido. Queria estar só comigo e com a filha e às vezes, sozinha.

 

MF&M: O que fazias nesses momentos para a ajudar?

V: Sinceramente, em alguns momentos sinto que não fiz nada porque era tão difícil lidar com isto...

Em primeiro lugar temos de ter em conta que nenhum de nós os dois, inicialmente, sabia classificar o que se estava a passar, depois isto não aconteceu por fases, aconteceu tudo muito depressa, ao mesmo tempo que nos habituávamos às rotinas de um novo membro na família e toda a adaptação emocional e estrutural que isso traz, e depois andava super cansado, porque tentávamos dividir todas as tarefas para não estar nenhum sobrecarregado. Ou seja, inicialmente não me apercebi e reagi mais do que agi, pensava que era o feitio dela, ou que estava a descarregar o stress em cima de mim, e depois quando nos apercebemos que algo não estava bem, a minha postura mudou. Tentei ser o mais compreensivo possível, não reagir logo à forma agressiva com que muitas vezes falava comigo, e tentava fazer com que sentisse sempre o meu apoio, fazia tudo o que podia em casa, no cuidar da nossa filha, fazia-lhe massagens, tentava ser sempre otimista, tentei dar-lhe algum espaço e ao mesmo tempo mantinha-me sempre por perto para o que fosse necessário.

 

MF&M: Em algum momento sentiste que já não sabias o que fazer?

V: Sim. Várias vezes. Farto. Exausto. Cansado. Cansado. Cansado.

Sentir que me estava a esforçar ao máximo e de repente parecia que nada do que estava a fazer era suficiente e a única coisa que queria era vê-la bem. E ela estava tudo, menos bem. Não era nada fácil. Senti-me várias vezes sem norte, mas ao mesmo tempo, também não podia quebrar. Não foi nada fácil...

 

MF&M: Ironicamente falando, o que fazias nessa altura, quando não sabias o que fazer?

V: Pensava na nossa filha, e em como sempre a desejamos tanto, juntos. Pensava no amor que tenho pela minha mulher e em como queria que tudo resultasse e que estes momentos menos bons parassem. Tentava parar para refletir, engolir o orgulho (que é extremamente difícil...), descansar sempre que podia para depois com as ideias mais frescas, ser mais positivo.

 

MF&M: Alguma vez pensaste em recorrer a outro tipo de ajuda, juntamente com a tua esposa?

V: Não. Porque para mim recorrer a outro tipo de ajuda só mesmo em último caso e eu sempre senti que a muito ou pouco custo, juntos íamos conseguir ultrapassar isto. Que tínhamos a capacidade mental para o fazer. Sentimo-nos desamparados, é verdade! Mas também, juntos seríamos mais fortes. 

E sinceramente, pensando hoje, juntamente com a minha mulher, percebemos que este assunto ainda é muito tabú na nossa sociedade. Muitas vezes associado à ingratidão da mulher por não estar feliz com a sua própria vida e vinda de um filho e não tem nada, mas mesmo nada a ver com isso! Esta forma de pensar, faz com que muitas mulheres não falem, ou ignorem o assunto, o que é bastante prejudicial para elas e para com quem vivem, podendo trazer problemas pessoais a curto ou a longo prazo, como tivemos oportunidade de ler em alguns (poucos) artigos portugueses que encontrámos sobre o assunto.

 

MF&M: O que pensas que ajudou a tua esposa a superar esta fase?

V: Uma das coisas que mais a ajudou (e a mim também) foi a conversa com um casal amigo, que concludentemente, também já tinha passado pelo mesmo. Passámos algum tempo a falar sobre isto, eles deram-nos alguns conselhos, apoiaram-nos, e isso foi muito importante para nós. Depois, também o facto da minha esposa estar sempre a pesquisar sobre o assunto, tentar informar-se ao máximo e acima de tudo, o amor que temos pela nossa família, o nosso foco, manter o nosso foco, foi muito importante.

 

MF&M: Gostavas de deixar alguma mensagem a outros homens que possam estar a viver o mesmo que tu, ou que poderão vir a vivê-lo?

V: Sim! Tentem ler o máximo sobre isto, mas de preferência, antes do parto. Infelizmente, os profissionais de saúde com que contactamos nunca falaram sobre isto, e pior, quando os confrontámos com esta situação, desvalorizaram. Falem com amigos e familiares, tentem perceber como viveram cada situação. Não é que nos sintamos bem com o "mal" dos outros, mas as experiências alheias ajudam-nos a compreender a nossa e consequentemente a orientarem-nos num caminho interno e conjunto. Sei que nem sempre será fácil, por isso não se castiguem por isso, mas tentem ao máximo ajudar a vossa mulher a cuidar do(s) filho(s), da casa, insistam para saírem de casa e irem passear sempre que possível, façam com que a mesma saiba o quanto gostam e se importam com ela! Mais do que nunca, este é o momento. E nos piores momentos, tentem respirar, refletir, descansar e mentalizem o vosso foco. E se esse for para estarem juntos, então lembrem-se sempre disso. 

 

 

 

Tal como este Pai disse: "Juntos somos mais fortes". Por isso, divulguem esta palavra, especialmente, se conhecerem alguém que passa, já passou ou poderá vir a passar por esta situação. 

 

Se também vocês querem dar força a esta questão e partilharem alguma sugestão, testemunho ou questão enviem-nos email para blog@mulherfilhamae.pt