Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Mulher, Filha & Mãe.

Sensibilizar (para) e apoiar (na) ansiedade e depressão na gravidez e no pós-parto

Mulher, Filha & Mãe.

Sensibilizar (para) e apoiar (na) ansiedade e depressão na gravidez e no pós-parto

Vacinação: Sim ou Não?

Desculpem-me o facto de andar ligeiramente alheia a determinadas realidades atuais, mas só há pouco tempo me apercebi desta nova onda anti-vacinação, no que toca ao Plano Nacional de Vacinação. 

Pensava que isto tinha sido um grande boom nos EUA (só e simplesmente), mas aparentemente, Portugal não foi vacinado contra este pensamento, e contagiou-se pela mesma propaganda.

 

tumblr_m3w1wfRJ2S1r0y4n9.jpg

 

Vacinar implica a introdução de um antigénio num organismo, por forma a suscitar da parte deste, uma resposta imunológica idêntica à que se seguiria se a pessoa contactasse com o agente que causa a doença. Esta imunidade tem como objetivo produzir, em quem é vacinado, um grau de resistência idêntico ao que resultaria se este tivesse sofrido a doença, mas com a ausência dos inconvenientes desta, ou pelo menos, minimizando-os o quanto possível.

 

Para além da proteção individual que confere, a vacinação pretende o controlo, ou mesmo a erradicação, de determinado microrganismo que estimula determinada doença. Mas para tal ocorrer, tem de haver um certo número de pessoas vacinadas.

É o exemplo da difteria e da poliomielite. Doenças que outrora foram fatais, e que hoje, estão erradicadas por um número significativo de pessoas estar vacinado contra tal.

 

No programa Agora Nós, foram bastante esclarecedores quanto às correntes que existem atualmente face a esta questão: "Vacinação: Sim ou Não?". 

Se continuarem interessados, poderão ver o artigo e entrevista completos, aqui.

Resumidamente falando, a Dra. Paula Nunes (Pediatra) demonstra-se (naturalmente) a favor da vacinação, não só pelo beneficio individual, como pelo beneficio que existe para a saúde pública. E o Naturopata João Beles, define-se como sendo, nem a favor, nem contra, favorecendo o direito à decisão dos pais neste assunto.

A questão aqui, é que, no meu ponto de vista, a decisão de não vacinar alguém não implica só o próprio, mas também o resultado dessa eficácia em toda uma população.

Conseguem compreender assim o impacto que a vacinação tem? Em toda uma população? Controlo e/ou erradicação de determinadas doenças? Prevenção de doenças? Menos gastos em saúde? Gastos esses que somos nós, o povo, que vamos pagando?

 

Por todos estes motivos, mas acima de tudo, pela saúde de cada um em especial, e à de todos no geral, apelo a uma profunda e informada reflexão, quando for a hora de tomarem a vossa decisão. 

 

Perguntei, se Sim ou Não?

 

Para mim, definitivamente que sim. E para vocês?

11 comentários

Comentar post