Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Mulher, Filha e Mãe

Porque a saúde mental na gravidez e no pós-parto importa!

Mulher, Filha e Mãe

Porque a saúde mental na gravidez e no pós-parto importa!

Seg | 02.11.20

Que desafios vivenciaste durante a gravidez e no pós-parto? Eis a perceção de 670 mulheres.

Ana Vale

A gravidez e o pós-parto constituem-se uma fase desafiante na vida de uma mulher, um bebé, um casal, uma família, e ao longo do trabalho que tenho realizado no Projeto Mulher, Filha e Mãe, esta tem sido uma realidade constante com a qual tenho contactado e sobre a qual muito me interesso a nível pessoal e profissional.

Com a realização deste questionário - dirigido a mulheres/homens que estejam a passar pela experiência de uma gravidez, ou que já tenham sido pais - pretendi explorar os desafios que se colocam na vida das mulheres e das respetivas famílias durante a gravidez e no pós-parto, e conhecer, de acordo com a sua perceção, aqueles que se constituem relevantes na sua experiência da maternidade.

 

Este questionário esteve disponível para preenchimento durante 2 semanas, e responderam ao mesmo 672 pessoas, das quais, 670 mulheres e 2 homens, a quem, desde já, muito agradeço a partilha e os poucos minutos retirados para a sua participação.  

 

Tenho de vos confessar que estes resultados surpreenderam-me, pois ao longo do tempo houve um resultado que foi sendo sempre muito consensual, quer nas primeiras 20, 50, 100..., como nas quase 700 respostas - as alterações emocionais são apontadas como um dos maiores desafios identificados pelos participantes. Não me surpreende que o seja, surpreende-me que tal seja tão claramente identificado por quem participou, quer enquanto dado quantitativo, quer enquanto dado qualitativo, como poderão ver pelos resultados/gráficos/testemunhos que vos apresentarei de seguida. 

 

Achei muito interessante também o facto de terem sido acrescentados pelos participantes desafios que não estavam inicialmente identificados, tais como, a pandemia COVID-19 e a violência obstétrica. Especialmente, pela frequência com que foram identificados. 

Não ter identificado a pandemia Covid-19 enquanto desafio foi propositado. Queria perceber quantas pessoas salientariam esse facto por iniciativa, e aqui é interessante conhecer os dados quantitativos, assim como os qualitativos, ou seja, os testemunhos dos participantes. Alguns, farei questão de salientar numa publicação à parte, e em breve. 

 

Interessante também, são os testemunhos de centenas de participantes que abordam esta temática de uma forma profunda, refletida e esclarecedora do ponto de vista das suas vivências. Fica, como é frequente, o sentimento de que claramente falta apoio estruturado neste âmbito! 

 

m-e-rezando-no-berco-do-filho.jpg

 

Sobre as pessoas que responderam a este questionário: 

As pessoas que responderam têm entre 18 e 49 anos de idade, sendo na sua grande maioria pessoas entre os 30 e os 39 anos que responderam. Em termos de habilitações, a grande maioria das pessoas que respondeu possui escolaridade de nível superior - licenciatura. 

idade habilitações.png

Sobre o estado atual das pessoas que responderam: 

Das 672 pessoas, 90 estão grávidas, e 582 encontram-se no pós-parto

No período perinatal, encontram-se 343 mulheres, das 670 que responderam ao questionário. Ou seja, praticamente metade das mulheres que responderam ao questionário estão a passar pelo período perinatal. 

 

Sobre a gravidez:

A maioria das mulheres que respondeu encontrava-se no último trimestre de gravidez, sendo que, 6 mulheres referiram não estar a passar por uma gravidez desejada

trimestre de gravidez.png

gravidez desejada.png

Sobre os desafios que as mulheres grávidas vivenciam: 

Face aos vinte desafios identificados, e aos restantes que as mulheres foram acrescentando, são de salientar os 10 desafios mais vivenciados pelas mulheres durante a gravidez.

- Alterações emocionais - 46,7%

2º - Sintomas incómodos durante a gravidez - 41,1%

- Insónias frequentes - 33,3 %

- Ser pai/mãe pela primeira vez - 32,2%

- Alterações de peso - 20,2%

- Pouco apoio por parte da equipa de saúde - 16,7%

- Não gostar de estar grávida - 10%

- Dúvidas sobre o pós-parto; estar desempregada - 8,9%

- Conflitos conjugais - 7,8%

10º - Pouco apoio por parte da família; Pandemia COVID-19 - 6,7%

 

desafios durante a gravidez.png

Apesar de não estarem no TOP 10 dos desafios mais identificados durante a gravidez, também são evidenciados pelas mulheres os problemas financeiros e as dúvidas sobre a gravidez (5,6%), a doença mental (4,4%), conflitos com a família do companheiro (3,6%), conflitos com a respetiva família (2,2%), o consumo de substâncias, o divórcio, ser vítima de violência obstétrica e perda gestacional anterior (1,1%).

 

Face aos desafios identificados, a maioria das mulheres refere ter sentido necessidade de pedir apoio, sendo que, 38,9% das mulheres refere ter pedido apoio aos profissionais de saúde e 28,9% pediu apoio a alguém próximo. Uma percentagem significativa - 26,7% - refere não ter pedido apoio nem ter sentido necessidade de o fazer nesta fase do ciclo de vida. 

 

No final, 21 mulheres grávidas quiseram partilhar os seus testemunhos. Saliento os seguintes:

 

Além de ser difícil gerir o turbilhão de emoções resultante das alterações hormonais, ainda somos bombardeados com a opinião quase imposta sobre o que fazer e como fazer durante a gravidez e após o nascimento do bebé. Não é fácil!

 

As dores físicas durante a gestação são pouco abordadas. A resposta que mais ouço é que é normal. Não devia ser considerado normal e mesmo que seja não deverias ser banalizado com um "depois vais ver que vale a pena.

 

Está a ser horrível, não vejo a hora de acabar.

 

É uma fase maravilhosa porém exige muito da grávida!

 

Sobre o pós-parto:

A maioria das pessoas que respondeu tinha bebés entre o 1 - 3 anos, seguindo-se as que tinham bebés entre os 2 - 6 meses e as que tinham crianças entre os 3 - 5 anos. De qualquer forma, e no geral, responderam ao questionário mulheres com crianças a partir das 0 semanas, e até às que têm filhos com mais de 5 anos.

idade dos bebés pós parto.png

 

Sobre os desafios que as mulheres no pós-parto vivenciam: 

Face aos vinte desafios identificados, e aos restantes que as mulheres foram acrescentando, são de salientar os 10 desafios mais vivenciados pelas mulheres durante a gravidez.

- Ser mãe/pai pela primeira vez - 63,4%

2º - Alterações emocionais - 62,7%

- Alterações de peso - 43,8 %

- Conflitos conjugais - 34,4%

- Alterações de peso - 20,2%

- Insónias frequentes - 20,1%

- Conflitos com a família do meu companheiro; Problemas financeiros - 13,4%

- Dúvidas sobre a parentalidade; Estar desempregado/a - 10,3%

- Pouco apoio por parte da família - 9,8%

10º - Pouco apoio por parte da equipa de saúde - 8,8%

 

desafios durante o pós-parto 1.png

Apesar de não estarem no TOP 10 dos desafios mais identificados durante o pós-parto, também são evidenciados pelas mulheres o facto de terem sido vítimas de violência obstétrica (7,9%), o divórcio (7%), conflitos com a respetiva família (6,2%), doença mental (6%), o facto de ter passado por problemas de saúde diversos, assim como, o filho ter desenvolvido problemas de saúde (3,8%), viver uma relação abusiva (2,9%), sentir-se pouco apoiada por outros familiares (2,6%), não gostar de ser mãe/pai (0,9%), ser vítima de discriminação por parte da entidade patronal (0,2%), gerir ciúmes de filho/a mais velho (0,2%), gerir ansiedade devido à pandemia COVID-19 (0,2%).

 

Face aos desafios identificados, a maioria das mulheres refere ter sentido necessidade de pedir apoio, sendo que, 34,9% das mulheres refere ter pedido apoio a alguém muito próximo e 24,7% pediu apoio a profissionais de saúde. Uma percentagem significativa - 24,9% - refere não ter pedido apoio nem ter sentido necessidade de o fazer nesta fase do ciclo de vida. Cerca de 11,2% das mulheres , não pediu apoio a ninguém, mas sentiu necessidade de o fazer. 

A salientar o facto de algumas mulheres referirem que pediram apoio mas sentiram que os técnicos de saúde relativizaram, ou que, gostariam de ter pedido apoio mas não tinham condições financeiras para aceder a ajuda especializada.

 

No final, 138 mulheres quiseram partilhar os seus testemunhos. Saliento os seguintes:

Os primeiros 4 meses são muito difíceis. Não só pela privação do sono, mas também pelos comentários da família ( todos sabem tudo e existe sempre uma opinião a dar), assim como as hormonas . Que nesta fase andavam aos saltinhos todas contentes, sem perceberem qual o caminho a seguir. Acho importante também desmistificar o amor imediato que supostamente todas as mães sentem ... a primeira vez que tem a criança no peito apaixonam-se imediatamente. Não, não senti. E senti-me mal por não ter sentido. Não foi imediato. Foi crescendo.

 

Existe pouca comunicação entre pais acerca das várias fases por que passamos e as dos nossos filhos.as dificuldades que vivenciamos torna-se, por causa disso, em verdadeiros gigantes... Partilhar experiências ajuda-nos a olhar sob outra perspetiva os mesmos problemas, e a encontrar formas diferentes e criativas de os tentar resolver, sem tantos sentimentos de culpa ou frustrações.

 

A gravidez e o pós-parto é uma fase de turbilhão de emoções e sentimentos. Para realizar a melhor gestão destes, e partilha das vivências da maternidade, é importantíssimo termos alguém. No meu caso o meu marido é, sem dúvida, o meu companheiro e apoio fundamental. A maternidade é uma fase magnífica.

 

Uma fase difícil e muito desafiante, exigente, mas no final tudo compensa.

 

 

Gostavas de esclarecer alguma questão sobre o presente questionário?

mulherfilhamae@gmail.com

(+351) 936 180 928

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.